Difference between pages "Install/Partitioning/pt-br" and "Template:PageNeedsUpdates"

< Install/Partitioning(Difference between pages)
(Particionamento)
 
 
Line 1: Line 1:
 
+
<includeonly>
===Particionamento===
+
[[Category:Needs Updates]]
 
+
</includeonly>
=== Prepare o Disco Rígido ===
+
 
+
==== Introdução ====
+
 
+
Em tempos remotos, só havia um jeito de inicializar (boot)o computador compatível com a arquitetura PC. Todos os nossos desktops e servidores tinham uma BIOS padrão, todos os nossos hard drives utilizavam Master Boot Records, e eram particionados utilizando esquema de partição MBR. E nós gostávamos disso daquele jeito mesmo!
+
 
+
Então, depois veio os EFI e UEFI, que são firmware em novo-estilo projetados para inicializar sistemas, junto as tabelas de partição GPT para suportar discos superiores à 2.2TB. Tudo repentino, nós tínhamos uma variedade de opções para inicializar os sistemas Linux, tornando o que uma vez era um método único de encaixe de tudo  (one-method-fits-all) aproximar-se á algo muito mais complexo.
+
 
+
Vamos parar por um momento para rever as opções de boot disponíveis para você. Esse pequeno Guia utiliza, e recomenda, o método da BIOS à moda antiga inicializando e usando um MBR. Funciona. Não há nada de errado com ele. Se seu disco é do tamanho de  2TB ou menor, ele não vai impedir que você use toda a capacidade do seu disco, também.
+
 
+
Mas, há alguns situações onde  o método da não é satisfatório. Se você obtiver um disco de tamando superior à 2TB, então partições MBR não o permitirão acessar todo o seu  armazenamento (storage). Então essa é uma rasão. Outra rasão é que há alguns então assim chamados  "PC" por aí afora que não suportam maias BIOS, e lhe força a utilizar o UEFI para inicializar. Então, sem compaixão pelas pessoas que se enquadram nessa situação, esse Guia de Instalação documenta boot pelo UEFI também.
+
 
+
Nossa recomandação ainda é ir pela moda antiga a não ser  que tenha resão para não. Chamamos esse método  de método '''BIOS + GRUB (MBR)'''. Esse é o método tradicional de configurar um PC para inicilizar o Linux.
+
 
+
Se você precisa usar UEFI para inicilizar, recomendamos não utillizar de maneira alguma o MBR para boot, já que alguns sistemas suportam as some UEFI, mas outros não. Ao inves disso, recomendamos utilizar o UEFI para inicializar o GRUB, que carregará o Linux. Referimos a esse método como o método '''UEFI + GRUB (GPT)'''.
+
 
+
E sim, há ainda mais, alguns aos quais estão documentados na página [[Boot Methods]]. Nós costumavamos recomendar um étodo '''BIOS + GRUB (GPT)''', mas esse não tem consistentemente suporte em uma variedade de hardware.
+
 
+
'''A grande pergunta é -- que método de boot eu devo usar?''' Aqui está como responder.
+
 
+
;Princípio nº 1 - Moda antiga (Old School): Se você pode inicializar com confiavelmente o System Rescue CD e ele exibe um menu inicial azul claro, você está inializando o CD usando a BIOS, e provavelmente você pode assim inicilizar o Funtoo Linux ussando a BIOS. Então, vá pela moda antiga e use a boot da BIO, ''a não ser que'' você tenha alguma resão para usar UEFI, tal qual ter um disco do tamando superior a 2.2TB. Nesse caso, veja o segundo Princípio nº 2, já que seu sistema pode ter suporte também à  boot UEFI.
+
 
+
;Princípio nº 2 - Moderno (New School): Se você pode confiavelmente inicilizar o System Rescue CD e ele te exibe um menu inicial preto e branco -- parabens, seu sistema é configurado para suportar o boot via UEFI. Isso significa que você está pronto para instalar o install Funtoo Linux para inicializá-lo via UEFI. Seu sistema pode ainda ter suporte para inicilizar com a BIOS, mas  somente se for testado pela UEFI primeiro. Você pode dar uma bisbilhotada na sua configuração de boot pelo BIOS e brincar com isso.
+
 
+
;Qual pe a Grande Diferença entra a Moda Antiga e a Moderna?: Aqui está a coisa. Se você for com as as partições MBR a moda antiga, sua partição <code>/boot</code> será um sistema de arquivos ext2, e você utilizará <code>fdisk</code> para criar suas partições MBR. Se você com as partições GPT e boot via UEFI, sua partição <code>/boot</code> será um sistema de arquivos vfat, por que isso é o que o UEFI é capaz de ler, e você utilizará <code>gdisk</code> para criar suas partiçẽos GP. E você instalará o GRUB um pouco diferente. É a respeito disso que tudo vem abaixo, em caso você estivesse curioso/a.
+
 
+
{{Note|'''Algumas placas mãe pode aparentar suporte a UEFI, mas não suportam.''' Faça sua pesquisa. Por exemplo, O BIOS atribuído na minha Gigabyte GA-990FXA-UD7 rev 1.1 tem uma opção de abilitar o boot UEFI por CD/DVD. '''Isso não é o sufuciente para abilitar boot via UEFI pelo hard drives e instalar o Funtoo Linux.''' UEFI deve ter tanto para mídia removível (assim você pode inicializar o System Rescue CD utilizando o UEFI) quanto mídias fixas (assim você pode inicializar sua nova instalação do Funtoo Linux.) Revelá-se que revisões posteriores dessa placa (rev 3.0) tem um novo BIOS que suporta completamente o boot do UEFI.  Isso pode apontar para o terceiro princípio -- conheça teu hardware.}}
+
 
+
==== O método a moda antiga (BIOS/MBR) ====
+
 
+
{{Note|Use esse método se você estiver inicializando sua BIOS, e se o o menu boot inicial do seu System Rescue CD initial estiver em azul claro. Se você for utilizar o método moderno, [[#Método Moderno (UEFI/GPT)|click aqui para saltar para o UEFI/GPT.]]}}
+
 
+
===== Preparo =====
+
 
+
Primeiro, é uma boa idea certificar-se de que encontrou o hard disk correto para particioná-lo. Tente esse comando e verifique que  <code>/dev/sda</code> é o disco que você quer particionar:
+
 
+
<console>
+
# ##i##fdisk -l /dev/sda
+
 
+
Disk /dev/sda: 640.1 GB, 640135028736 bytes, 1250263728 sectors
+
Units = sectors of 1 * 512 = 512 bytes
+
Sector size (logical/physical): 512 bytes / 512 bytes
+
I/O size (minimum/optimal): 512 bytes / 512 bytes
+
Disk label type: gpt
+
 
+
 
+
#        Start          End    Size  Type            Name
+
1        2048  1250263694  596.2G  Linux filesyste Linux filesystem
+
</console>
+
 
+
Agora, é recomendado que você apague quaisquer tabelas de partição MBR ou GPT existente no disco, que poderiam confundir o BIOS do sistema no momento da inicialização. Fazemos isso utilizando <code>sgdisk</code>:
+
{{fancywarning|Isso tornará quaisquer partições existentes inacessiveis! É formente lhe aconcelhado advetido realizar backup de qualquer dado crítico antes de prosseguir.}}
+
 
+
<console>
+
# ##i##sgdisk --zap-all /dev/sda
+
 
+
Creating new GPT entries.
+
GPT data structures destroyed! You may now partition the disk using fdisk or
+
other utilities.
+
</console>
+
 
+
Essa saída també não é nada para se preocupar, desde que o comando ainda  foi bem sucedido:
+
 
+
<console>
+
***************************************************************
+
Found invalid GPT and valid MBR; converting MBR to GPT format
+
in memory.
+
***************************************************************
+
</console>
+
 
+
===== Particionamento =====
+
 
+
Agora usaremos <code>fdisk</code> para criar a tabela de partição MBR e as partições:
+
 
+
<console>
+
# ##i##fdisk /dev/sda
+
</console>
+
 
+
Dentro do <code>fdisk</code>, siga esses passos:
+
 
+
'''Esvazie a tabela de partição''':
+
 
+
<console>
+
Command (m for help): ##i##o ↵
+
</console>
+
 
+
'''Crie a primeira Partição''' (boot):
+
 
+
<console>
+
Command (m for help): ##i##n ↵
+
Partition type (default p): ##i##↵
+
Partition number (1-4, default 1): ##i##↵
+
First sector: ##i##↵
+
Last sector: ##i##+128M ↵
+
</console>
+
 
+
'''Crie a segunda Partição''' (swap):
+
 
+
<console>
+
Command (m for help): ##i##n ↵
+
Partition type (default p): ##i##↵
+
Partition number (2-4, default 2): ##i##↵
+
First sector: ##i##↵
+
Last sector: ##i##+2G ↵
+
Command (m for help): ##i##t ↵
+
Partition number (1,2, default 2): ##i## ↵
+
Hex code (type L to list all codes): ##i##82 ↵
+
</console>
+
 
+
'''Crie a partição root:'''
+
 
+
<console>
+
Command (m for help): ##i##n ↵
+
Partition type (default p): ##i##↵
+
Partition number (3,4, default 3): ##i##↵
+
First sector: ##i##↵
+
Last sector: ##i##↵
+
</console>
+
 
+
'''Verifique a tabela de partição:'''
+
 
+
<console>
+
Command (m for help): ##i##p
+
 
+
Disk /dev/sda: 298.1 GiB, 320072933376 bytes, 625142448 sectors
+
Units: sectors of 1 * 512 = 512 bytes
+
Sector size (logical/physical): 512 bytes / 512 bytes
+
I/O size (minimum/optimal): 512 bytes / 512 bytes
+
Disklabel type: dos
+
Disk identifier: 0x82abc9a6
+
 
+
Device    Boot    Start      End    Blocks  Id System
+
/dev/sda1          2048    264191    131072  83 Linux
+
/dev/sda2        264192  4458495  2097152  82 Linux swap / Solaris
+
/dev/sda3        4458496 625142447 310341976  83 Linux
+
</console>
+
 
+
'''Grave a tabela de partição no disco:'''
+
 
+
<console>
+
Command (m for help): ##i##w
+
</console>
+
 
+
Sua nova tabela de partição MBR será agora gravada no seu disco.
+
 
+
{{Note|Você finalizou o particionamento! Agora, pule para [[#Criando os filesystems|Criando os filesystems]].}}
+
 
+
==== Método Moderno (UEFI/GPT)  ====
+
 
+
{{Note|Use esse método se você estiver inicializando usando o UEFI, e se o menu de boot do seu System Rescue CD initial boot for preto e branco. Se for azul claro, esse método não funcionará.}}
+
 
+
Utilize o comando <tt>gdisk</tt> para criar uma tabela de partição GPT como a seguir. Adapte tamanhos conforme necessário, embora esse padrões funcionarão para a maioria dos  suários. Inicie o <code>gdisk</code>:
+
 
+
<console>
+
# ##i##gdisk
+
</console>
+
 
+
Dentro do <tt>gdisk</tt>, Siga esses passos:
+
 
+
'''Crie uma uma nova tabela de partição vazia''' (Isso ''apagará'' todos os dados no seu disco quando salvo):
+
 
+
<console>
+
Command: ##i##o ↵
+
This option deletes all partitions and creates a new protective MBR.
+
Proceed? (Y/N): ##i##y ↵
+
</console>
+
 
+
'''Crie a 1ª Partiçaõ''' (boot):
+
 
+
<console>
+
Command: ##i##n ↵
+
Partition Number: ##i##1 ↵
+
First sector: ##i##↵
+
Last sector: ##i##+500M ↵
+
Hex Code: ##i##↵
+
</console>
+
 
+
'''Crie a 2ª Partição''' (swap):
+
 
+
<console>
+
Command: ##i##n ↵
+
Partition Number: ##i##2 ↵
+
First sector: ##i##↵
+
Last sector: ##i##+4G ↵
+
Hex Code: ##i##8200 ↵
+
</console>
+
 
+
'''Create 3ª Partição''' (root):
+
 
+
<console>
+
Command: ##i##n ↵
+
Partition Number: ##i##3 ↵
+
First sector: ##i##↵
+
Last sector: ##i##↵##!i## (for rest of disk)
+
Hex Code: ##i##↵
+
</console>
+
 
+
Ao longo do caminho, você pode digitar "<tt>p</tt>" e apertar Enter para visualizar a tabela de partição atual. Se você cometar algum engano, você pode digitar "<tt>d</tt>" tuma partição existente que você criou. Quando estiver satisfeito com sua definição de partição, digite "<tt>w</tt>" para gravar sua configuração no disco:
+
 
+
'''Gravar a Tabela de Partição no Disco''':
+
 
+
<console>
+
Command: ##i##w ↵
+
Do you want to proceed? (Y/N): ##i##Y ↵
+
</console>
+
 
+
A tabela de partição será agora gravada em disco e o <tt>gdisk</tt> será fechado.
+
 
+
Agora, suas partições GPT/GUID foram criadas, e será exibido os seguintes ''dispositivos de bloco''  (''block devices'') no Linux:
+
 
+
* <tt>/dev/sda1</tt>, which will be used to hold the <tt>/boot</tt> filesystem,
+
* <tt>/dev/sda2</tt>, which will be used for swap space, and
+
* <tt>/dev/sda3</tt>, which will hold your root filesystem.
+
 
+
==== Criando os filesystems ====
+
 
+
{{Note|Essa seção cobre tanto instalação pelo  BIOS ''quanto pelo'' UEFI. Não pule esse passo!}}
+
 
+
Antes que a suas partições recém-criadas possam ser utilizada, os dispositivos de bloco precisam ser inicializados com os '''metadados'' sistema de arquivos (filesystem ''metadata''). Esse processi é conhecido como ''criar um sistema de arquivo'' (''creating a filesystem'') nos dispositivos de bloco. Depois que os filesystems são criados nos dispositivos de bloco, eles podem ser montados e utilizados para armazenar arquivos.
+
 
+
Vamos deixar isso de forma simples. Você vai utilizar partições MBR a moda antiga? Se sim, vamos criar um sistema de arquivo ext2 em /dev/sda1:
+
 
+
<console>
+
# ##i##mkfs.ext2 /dev/sda1
+
</console>
+
 
+
Se for utilizar partições GPT modernas para o UEFI, você precisará criar um sistema de arquivos vfat no /dev/sda1, por isso é o que o UEFI é capaz de ler:
+
 
+
<console>
+
# ##i##mkfs.vfat -F 32 /dev/sda1
+
</console>
+
 
+
Agora, vamos criar uma partição swap. Essa partição será criada para ser utilizada como memoria virtual com base no disco (disk-based virtual memory) para o seu sistema Funtoo Linux.
+
 
+
Você criará um sistema de arquivos na sia partição swap, desde não seja utilizada para armazenar arquivos. Mas é necessário inicializá-la utilizando o comando <code>mkswap</code> command. Depois vamos executar o comando <code>swapon</code> para tornar o seu recém inicializado espaço swap imediadamente ativo  dentro do ambiente live CD, nesse caso isso é necessário durante o resto do processo de instalação:
+
 
+
<console>
+
# ##i##mkswap /dev/sda2
+
# ##i##swapon /dev/sda2
+
</console>
+
 
+
Agora, precisamos criar um sistema de arquivos root. É alí aonde o Funtoo Linux vai morar. Geralmente recomendamos sistemas de arquivos root ext4 ou XFS. Se não estiver certo, escola o  ext4. Aqui está como criar um sistema de arquivos root ext4:
+
 
+
<console>
+
# ##i##mkfs.ext4 /dev/sda3
+
</console>
+
 
+
...e aqui está como criar um sistema de arquivos root XFS, se você escolher utilizar o XFS:
+
 
+
<console>
+
# ##i##mkfs.xfs /dev/sda3
+
</console>
+
 
+
Seus sistemas de arquivos (e o swap) foram todos inicializados, então dessa forma podem ser montados (anexados á sua hierarquia de diretório existente) e utilizado para armazenar arquivos. Estamos prontos para instalar o Funtoo Linux nesses sistemas de arquivos novinhos em folha.
+
 
+
{{fancywarning|1=
+
Quando implantar um host OpenVZ, por favor utilize exclusivamente o ext4. A equipe de desenvolvimento paralelos testa extensi extensivamente com o ext4, e versões mais modernas do  <code>openvz-rhel6-stable</code> ''não'' são compatíveis com o XFS, e você pode experimentar kernel bugs.
+
}}
+
 
+
==== Montando os filesystems ====
+
 
+
Monte os recem-criados filesystems como a seguir, criando <code>/mnt/funtoo</code> como ponto de montagem da instalação:
+
 
+
<console>
+
# ##i##mkdir /mnt/funtoo
+
# ##i##mount /dev/sda3 /mnt/funtoo
+
# ##i##mkdir /mnt/funtoo/boot
+
# ##i##mount /dev/sda1 /mnt/funtoo/boot
+
</console>
+
 
+
Optionally, if you have a separate filesystem for <code>/home</code> or anything else:
+
 
+
<console>
+
# ##i##mkdir /mnt/funtoo/home
+
# ##i##mount /dev/sda4 /mnt/funtoo/home
+
</console>
+
 
+
If you have <code>/tmp</code> or <code>/var/tmp</code> on a separate filesystem, be sure to change the permissions of the mount point to be globally-writeable after mounting, as follows:
+
 
+
<console>
+
# ##i##chmod 1777 /mnt/funtoo/tmp
+
</console>
+

Latest revision as of 19:25, December 10, 2014